5A Wellington Street, Rose Hill, Mauritius | +23052515415

CARTIS história e tecnologia


A tecnologia CARTIS® e o seu pó são patenteados.

Vários cientistas tentaram efetuar a combinação de carbono e prata com o objetivo de explorar as propriedades de filtração do carbono ativo para o tratamento de água, libertando-se de problemas de contaminação bacteriana pela presença de prata, a qual tem efeitos bacteriostáticos. Estas propriedades bacteriostáticas da prata (e de outros metais pesados) são conhecidas desde a Antiguidade, pois sabe-se que os Romanos gostavam de conservar a sua água em vasos de prata.

Com o auxílio do progresso científico, foi possível imaginar a ligação das propriedades destes dois materiais.
Os vários métodos anteriores ao procedimento CARTIS baseavam-se nos métodos de impregnação química que impediam a sua utilização para a potabilidade de água devido à presença elevada de prata e devido à instabilidade do produto (fraqueza na conexão entre o carbono e a prata: interação do tipo Van der Waal) e devido à presença de vários componentes do banho químico que permitem a obtenção do produto.

Isto é importante porque, no caso de uma utilização para obter água potável, o interesse de utilizar um suporte poroso como filtro reside no facto de que os poros vão remover os diferentes elementos poluentes contidos na água a tratar, tornando-se assim um local ideal para bactérias.

O procedimento CARTIS permite metalizar sem utilizar banhos químicos, de forma modulável, bem como superfícies externas e internas que permitem apresentar um suporte metálico também nos poros de suporte, evitando assim a proliferação bacteriana.

Os produtos CARTIS foram sujeitos a vários testes de desprendimento e nenhum deles permitiu encontrar resíduos quantificáveis de prata.
A CARTIS reivindica as conexões de prata e suporta fortes tipos covalentes. As ligações que caracterizam o método químico assemelham-se às interações do tipo Van der Waal e são, por isso, muito fracas.
O nosso procedimento de metalização é realizado após uma análise psicoquímica em que a prata é colocada na sua forma metálica mais pura: Ag0 (o procedimento de depósito não induz a oxidação do metal, ao contrário de outros procedimentos), o que assegura uma excelente reatividade na água.
Em contrapartida, os diferentes estados oxidados do carbono (por exemplo: C-O, C=O, …) têm um papel benéfico no tratamento da água.
As análises de tipo XPS permitiram-nos confirmar a criação de carbonetos de prata durante o procedimento plasmático que é gerado pelo nosso tratamento e testemunha a estabilidade excecional do produto formado, a qual ultrapassa a conexão entre os dois elementos .

Residual propertiesSobre a remanescência :
A remanescência é a capacidade da água de não ficar poluída durante o tratamento. Assim, quando falamos de remanescência, pensamos no seguinte procedimento experimental: A água tratada pelo nosso procedimento é recolhida num recipiente e deixa ao ar livre durante alguns dias. Após este período, recolhemos uma amostra dessa água e submetemo-la a análises bacteriológicas: não foi encontrada nenhuma bactéria patogênica (análises certificadas por laboratórios especializados). Trata-se, portanto, da capacidade que a água tratada pelo procedimento CARTIS adquiriu após o seu contato com o nosso produto de uma forma paramétrica (energia cinética) bastante precisa. A passagem calculada da água pelos materiais CARTIS vai catalisar as reações psicoquímicas que, caso se interesse pelo balanço microbiológico, serão naturalmente para oxidar as bactérias através de uma abordagem reacional do oxigênio (como já referido). Esta propriedade bactericida ultrapassa a única propriedade bacteriostática.
Além disso, a formação e a obtenção de carbonetos e prateação através do nosso procedimento prova que, em termos de produtos, não obtemos pó nem materiais fortemente metalizados, tendo um papel fundamental para a purificação e conservação da água que pretendemos.


Publicação internacional Licença nº.: 98/47819 WO pedido internacional nº.: PCT/IB98/00619
Suíça Licenças CH19970000934 e CH19970002242 nº. 691 592
Continente africano Licenças ARIPO nº. AP 1160 e OAPI nº. 11208
China Licença nº. ZL98805426.4
México Licença MX 990 9751
Europa Licença registada com o número EP 0 979 212 B1 Classificação nº. C02F 1/50

Registro e inventor : M. Hervé GALLION (proprietário)

O pó é produzido com reatores de plasma.

O fabrico de pó e o savoir-faire são os fatores mais importantes no conjunto dos procedimentos.